Entrar

Simulado: Interpretação Textual - Português - Sargento da Aeronáutica - EEAR

Marque todas as questões do simulado desta página "Interpretação Textual - Português - Sargento da Aeronáutica - EEAR" e clique no botão "Corrigir". Se preferir, baixe o PDF.


22 resolveram
53% acertos
Médio
1 ótimo
12 bom
8 regular
1 péssimo

Se transpusermos para a voz passiva a oração “As vizinhas a invejavam por sua estonteante beleza”, qual forma verbal obteremos?

Texto associado.
                                     Fim de livro
              Há escritores que precisam de silêncio, solidão e
ambiente adequado para a prática da escrita. Se fosse esperar
por essas condições, teria demorado vinte anos para publicar
meu último livro, tempo de vida que não terei mais.
              Por força da necessidade, aprendi a escrever em
qualquer lugar em que haja espaço para sentar com o
computador. Minha carreira de escritor começou com
“Estação Carandiru”, quando eu tinha 56 anos. Foi tão
grande o prazer de contar aquelas histórias, que senti ódio de
mim mesmo por ter vivido meio século sem escrever livros.
A dificuldade vinha da timidez e da autocrítica. Para mim,
o que eu escrevesse seria fatalmente comparado com
Machado de Assis, Gogol, Faulkner, Joyce, Pushkin,
Turgenev, Dante Alighieri. Depois do que disseram esses e
outros gênios, que livro valeria a pena ser escrito?
              Em conversa com um estudante, Hemingway diz que ao
escritor de nossos tempos cabem duas alternativas: escrever
melhor do que os grandes mestres já falecidos, ou contar
histórias que nunca foram contadas. De fato, se eu escrevesse
melhor do que Machado de Assis, poderia recriar
personagens como Dom Casmurro ou descrever com mais
poesia o olhar de ressaca de Capitu.
              Restava, então, a segunda alternativa: a vida numa
cadeia com mais de sete mil presidiários, na cidade de
São Paulo, nas últimas décadas do século XX, não poderia
ser descrita por Homero ou padre Antônio Vieira. O médico
que atendia pacientes no Carandiru havia dez anos era quem
reunia as condições para fazê-lo.
              Seguindo o mesmo critério, publiquei outros livros.
Às cotoveladas, a literatura abriu espaço em minha agenda.
Há escritores talentosos que se queixam dos tormentos e da
angústia inerentes ao processo de criação. Não é o meu caso,
escrever só me traz alegria.
                                                   Dráuzio Varella, texto adaptado
As questões de 01 a 04 referem-se ao texto acima.
Dentre as características que o autor revela de si mesmo diante do ofício de escrever, assinale a que não está presente no texto

Texto associado.
                                     Fim de livro
              Há escritores que precisam de silêncio, solidão e
ambiente adequado para a prática da escrita. Se fosse esperar
por essas condições, teria demorado vinte anos para publicar
meu último livro, tempo de vida que não terei mais.
              Por força da necessidade, aprendi a escrever em
qualquer lugar em que haja espaço para sentar com o
computador. Minha carreira de escritor começou com
“Estação Carandiru”, quando eu tinha 56 anos. Foi tão
grande o prazer de contar aquelas histórias, que senti ódio de
mim mesmo por ter vivido meio século sem escrever livros.
A dificuldade vinha da timidez e da autocrítica. Para mim,
o que eu escrevesse seria fatalmente comparado com
Machado de Assis, Gogol, Faulkner, Joyce, Pushkin,
Turgenev, Dante Alighieri. Depois do que disseram esses e
outros gênios, que livro valeria a pena ser escrito?
              Em conversa com um estudante, Hemingway diz que ao
escritor de nossos tempos cabem duas alternativas: escrever
melhor do que os grandes mestres já falecidos, ou contar
histórias que nunca foram contadas. De fato, se eu escrevesse
melhor do que Machado de Assis, poderia recriar
personagens como Dom Casmurro ou descrever com mais
poesia o olhar de ressaca de Capitu.
              Restava, então, a segunda alternativa: a vida numa
cadeia com mais de sete mil presidiários, na cidade de
São Paulo, nas últimas décadas do século XX, não poderia
ser descrita por Homero ou padre Antônio Vieira. O médico
que atendia pacientes no Carandiru havia dez anos era quem
reunia as condições para fazê-lo.
              Seguindo o mesmo critério, publiquei outros livros.
Às cotoveladas, a literatura abriu espaço em minha agenda.
Há escritores talentosos que se queixam dos tormentos e da
angústia inerentes ao processo de criação. Não é o meu caso,
escrever só me traz alegria.
                                                   Dráuzio Varella, texto adaptado
As questões de 01 a 04 referem-se ao texto acima.
O autor sentiu ódio de si mesmo por ter publicado seu primeiro livro somente aos 56 anos porque ele

Observe as frases abaixo:
I- O proprietário daquelas terras é um italiano.
II- Aquelas terras foram invadidas pelos posseiros.
III- Os posseiros querem cultivar as terras.
Transformando-se esses três períodos simples em um período composto e considerando o emprego dos pronomes relativos, assinale a alternativa correta.

Texto associado.
                                     Fim de livro
              Há escritores que precisam de silêncio, solidão e
ambiente adequado para a prática da escrita. Se fosse esperar
por essas condições, teria demorado vinte anos para publicar
meu último livro, tempo de vida que não terei mais.
              Por força da necessidade, aprendi a escrever em
qualquer lugar em que haja espaço para sentar com o
computador. Minha carreira de escritor começou com
“Estação Carandiru”, quando eu tinha 56 anos. Foi tão
grande o prazer de contar aquelas histórias, que senti ódio de
mim mesmo por ter vivido meio século sem escrever livros.
A dificuldade vinha da timidez e da autocrítica. Para mim,
o que eu escrevesse seria fatalmente comparado com
Machado de Assis, Gogol, Faulkner, Joyce, Pushkin,
Turgenev, Dante Alighieri. Depois do que disseram esses e
outros gênios, que livro valeria a pena ser escrito?
              Em conversa com um estudante, Hemingway diz que ao
escritor de nossos tempos cabem duas alternativas: escrever
melhor do que os grandes mestres já falecidos, ou contar
histórias que nunca foram contadas. De fato, se eu escrevesse
melhor do que Machado de Assis, poderia recriar
personagens como Dom Casmurro ou descrever com mais
poesia o olhar de ressaca de Capitu.
              Restava, então, a segunda alternativa: a vida numa
cadeia com mais de sete mil presidiários, na cidade de
São Paulo, nas últimas décadas do século XX, não poderia
ser descrita por Homero ou padre Antônio Vieira. O médico
que atendia pacientes no Carandiru havia dez anos era quem
reunia as condições para fazê-lo.
              Seguindo o mesmo critério, publiquei outros livros.
Às cotoveladas, a literatura abriu espaço em minha agenda.
Há escritores talentosos que se queixam dos tormentos e da
angústia inerentes ao processo de criação. Não é o meu caso,
escrever só me traz alegria.
                                                   Dráuzio Varella, texto adaptado
As questões de 01 a 04 referem-se ao texto acima.
Quanto ao primeiro parágrafo do texto, é correto afirmar que

Leia:
A inocência sempre brincou nas peraltices dos cães, mas, em cada animal, ela se funde com um temperamento individual. Quando chego à minha casa, Vilma salta e rodopia, querendo ser a primeira a receber atenção. Ciça, embora seja mais discreta, não dispensa a sua cota de carinho. Rose, serelepe e incansável, pula tanto que fica esbaforida. Por último, Ruth, pura meiguice, achega-se na periferia do bando e aguarda o momento dos afagos.
No texto acima, não há oração subordinada adverbial na frase referente a

Em qual alternativa o predicativo está mal empregado, permitindo que o texto tenha dupla interpretação?

Com relação ao sentido expresso pelo presente do indicativo nas frases abaixo, coloque I para validade permanente, II para verdade científica, III para ação habitual e IV para indicação de futuro. Em seguida, assinale a sequência correta.
( ) Eu sempre choro ao ver uma cena triste.
( ) A soma dos ângulos internos do triângulo é igual a 180°.
( ) Se Deus quiser, no ano que vem eu me formo.
( ) Na natureza, os animais nascem livres.

Texto associado.
                                     Fim de livro
              Há escritores que precisam de silêncio, solidão e
ambiente adequado para a prática da escrita. Se fosse esperar
por essas condições, teria demorado vinte anos para publicar
meu último livro, tempo de vida que não terei mais.
              Por força da necessidade, aprendi a escrever em
qualquer lugar em que haja espaço para sentar com o
computador. Minha carreira de escritor começou com
“Estação Carandiru”, quando eu tinha 56 anos. Foi tão
grande o prazer de contar aquelas histórias, que senti ódio de
mim mesmo por ter vivido meio século sem escrever livros.
A dificuldade vinha da timidez e da autocrítica. Para mim,
o que eu escrevesse seria fatalmente comparado com
Machado de Assis, Gogol, Faulkner, Joyce, Pushkin,
Turgenev, Dante Alighieri. Depois do que disseram esses e
outros gênios, que livro valeria a pena ser escrito?
              Em conversa com um estudante, Hemingway diz que ao
escritor de nossos tempos cabem duas alternativas: escrever
melhor do que os grandes mestres já falecidos, ou contar
histórias que nunca foram contadas. De fato, se eu escrevesse
melhor do que Machado de Assis, poderia recriar
personagens como Dom Casmurro ou descrever com mais
poesia o olhar de ressaca de Capitu.
              Restava, então, a segunda alternativa: a vida numa
cadeia com mais de sete mil presidiários, na cidade de
São Paulo, nas últimas décadas do século XX, não poderia
ser descrita por Homero ou padre Antônio Vieira. O médico
que atendia pacientes no Carandiru havia dez anos era quem
reunia as condições para fazê-lo.
              Seguindo o mesmo critério, publiquei outros livros.
Às cotoveladas, a literatura abriu espaço em minha agenda.
Há escritores talentosos que se queixam dos tormentos e da
angústia inerentes ao processo de criação. Não é o meu caso,
escrever só me traz alegria.
                                                   Dráuzio Varella, texto adaptado
As questões de 01 a 04 referem-se ao texto acima.
“Às cotoveladas, a literatura abriu espaço em minha agenda.” Considerando esse trecho, pode-se afirmar que

Resolver simuladosEscolaridadeQuantidade
Interpretação de TextosEnsino Superior272
SintaxeEnsino Médio28
Interpretação TextualEnsino Médio17
VerbosEnsino Médio8
PontuaçãoEnsino Médio8
MorfologiaEnsino Superior8
Locução AdverbialEnsino Médio7
Flexão VerbalEnsino Médio7
OrtografiaEnsino Médio5
Acentuação GráficaEnsino Médio4

Deixe seu comentário (0)

Participe, faça um comentário.