Entrar

Simulado: Interpretação Textual - Português - Sargento da Aeronáutica EEAR

Marque todas as questões do simulado desta página "Interpretação Textual - Português - Sargento da Aeronáutica EEAR" e clique no botão "Corrigir". Se preferir, baixe o PDF.


113 resolveram
52% acertos
Médio
12 ótimo
62 bom
36 regular
3 péssimo

Texto associado.
Quem casa quer casa
        Num tempo em que se casava depois de namorar e noivar, viajei com meu marido para a minha primeira casa, no mesmo dia do meu casamento. Partia na verdade para um reino onde, tendo modos à mesa e usando meia fina, seria uma mulher distinta como Dona Alice e seu marido saindo para a missa das dez. Pois sim, meu enxoval (...) foi despachado com zelo pela via férrea para uma cidade longe, tão longe que não pude eu mesma escolher casa e coisas. Como você quer nossos móveis?, havia perguntado meu noivo. Ah, eu disse, você pode escolher, mas gosto mesmo é daqueles escuros, pretos. Pensava na maravilhosa cristaleira de Dona Cecília, móveis de pernas torneadas e brilhantes, cama de cabeceira alta. Para a cozinha achei melhor nem sugerir, apostando na surpresa. Você pode cuidar de tudo, respondi a meu noivo atrapalhado com as providências, os poucos dias de folga na empresa, sozinho (...). Foi abrir a porta de nossa casa com alpendre e levei o primeiro susto de muitos de minha vida de casada. A mobília - palavra que sempre detestei - era daquele amarelo bonito de peroba.  Tem pouco uso, disse meu marido, comprei de um colega que se mudou daqui. Gostei da cristaleira, seus espelhos multiplicando o ‘jogo de porcelana’ - que invenção! A cama era feia, egressa de um outro desenho, sem nada a ver com a sala. E a cozinha? O mesmo fogão a lenha que desde menina me encarvoara. O fogão a gás vem em duas semanas, explicou meu marido com mortificada delicadeza, adivinhando o borbotão de lágrimas. Mas o banheiro, este sim amei à primeira vista, azulejos, louça branca e um boxe com cortina amarela desenhada em peixes e algas. Recompensou-me. Faz quarenta anos desde minha apresentação a este meu primeiro banheiro com cortina, a um piso que se limpava com sapóleo, palavra que incorporei incontinente ao meu novo status. Vinha de uma casa com panelas de ferro que só brilhavam a poder de areia. (...) Quando me viu a pique de chorar, meu marido me disse naquele dia: quando puder, vou comprar móveis pretos e torneados pra você. Compreendi, com grande sorte para mim, que era melhor escutar aquela promessa ardente ao ouvido, que ter móveis bonitos e marido desatento. Do viçoso jardim arranquei quase tudo para ‘plantar do meu jeito’, tentativa de construir um lar, esperança que até hoje guardo e pela qual me empenho como se tivesse acabado de me casar.

Adélia Prado 
https://cronicasurbanas/wordpress/tag/adelia-prado

VOCABULÁRIO
alpendre: varanda coberta
borbotão: caudal; jorro; jato forte, em grande quantidade
egressa: afastada; retirada, que não pertence a um grupo encarvoara: sujara de carvão
incontinente: que ou quem não se contém, sem moderação
viçoso: que cresce e se desenvolve com vigor
“Partia na verdade para um reino onde, tendo modos à mesa e usando meia fina, seria uma mulher distinta como Dona Alice e seu marido saindo para a missa das dez.” Essa frase do texto, enunciada logo em seu início, mostra que a esposa

Texto associado.
                                                  Como os campos
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       Marina Colasanti
1                  Preparavam-se aqueles jovens estudiosos para a vida 
      adulta, acompanhando um sábio e ouvindo seus ensinamentos.
      Porém, como fizessse cada dia mais frio com o adiantar-se do 
      outono, dele se aproximaram e perguntaram:
5                 – Senhor, como devemos vestir-nos?
                   – Vistam-se como os campos - respondeu o sábio.
                   Os jovens então subiram a uma colina e durante dias 
      olharam para os campos. Depois dirigiram-se à cidade, onde 
      compraram tecidos de muitas cores e fios de muitas fibras.
10  Levando cestas carregadas, voltaram para junto do sábio.
                   Sob o seu olhar, abriram os rolos das sedas, desdobraram
      as peças de damasco e cortaram quadrados de veludo, e os
      emendaram com retângulos de cetim. Aos poucos, foram
      criando, em longas vestes, os campos arados, o vivo verde dos
15 campos em primavera, o pintalgado da germinação. E
      entremearam fios de ouro no amarelo dos trigais, fios de prata
      no alagado das chuvas, até chegarem ao branco brilhante da
      neve. As vestes suntuosas estendiam-se como mantos. O sábio
      nada disse.
20            Só um jovem pequenino não havia feito sua roupa.
      Esperava que o algodão estivesse em flor, para colhê-lo. E
      quando teve os tufos, os fiou. E quando teve os fios, os teceu.
      Depois vestiu sua roupa branca e foi para o campo trabalhar.
                 Arou e plantou. Muitas e muitas vezes sujou-se de terra. E
25 manchou-se do sumo das frutas e da seiva das plantas. A
      roupa já não era branca, embora ele a lavasse no regato.
      Plantou e colheu. A roupa rasgou-se, o tecido puiu-se. O
      jovem pequenino emendou os rasgões com fios de lã, costurou
      remendos onde o pano cedia. E quando a neve veio, prendeu
30 em sua roupa mangas mais grossas para se aquecer.
                Agora a roupa do jovem pequeno era de tantos pedaços,
      que ninguém poderia dizer como havia começado. E estando
      ele lá fora uma manhã, com os pés afundados na terra para
      receber a primavera, um pássaro o confundiu com o campo e
35 veio pousar no seu ombro. Ciscou de leve entre os fios,
      sacudiu as penas. Depois levantou a cabeça e começou a
      cantar.
                Ao longe, o sábio, que tudo olhava, sorriu.
                     Colasanti, M. Mais de 100 histórias maravilhosas - 1.ed. – São
                                                                                                        Paulo: Global, 2015
Em qual alternativa há um trecho do texto que confirma que o jovem pequenino realmente vestiu-se como os campos, conforme aconselhou o velho sábio?

Texto associado.
Quem casa quer casa
        Num tempo em que se casava depois de namorar e noivar, viajei com meu marido para a minha primeira casa, no mesmo dia do meu casamento. Partia na verdade para um reino onde, tendo modos à mesa e usando meia fina, seria uma mulher distinta como Dona Alice e seu marido saindo para a missa das dez. Pois sim, meu enxoval (...) foi despachado com zelo pela via férrea para uma cidade longe, tão longe que não pude eu mesma escolher casa e coisas. Como você quer nossos móveis?, havia perguntado meu noivo. Ah, eu disse, você pode escolher, mas gosto mesmo é daqueles escuros, pretos. Pensava na maravilhosa cristaleira de Dona Cecília, móveis de pernas torneadas e brilhantes, cama de cabeceira alta. Para a cozinha achei melhor nem sugerir, apostando na surpresa. Você pode cuidar de tudo, respondi a meu noivo atrapalhado com as providências, os poucos dias de folga na empresa, sozinho (...). Foi abrir a porta de nossa casa com alpendre e levei o primeiro susto de muitos de minha vida de casada. A mobília - palavra que sempre detestei - era daquele amarelo bonito de peroba.  Tem pouco uso, disse meu marido, comprei de um colega que se mudou daqui. Gostei da cristaleira, seus espelhos multiplicando o ‘jogo de porcelana’ - que invenção! A cama era feia, egressa de um outro desenho, sem nada a ver com a sala. E a cozinha? O mesmo fogão a lenha que desde menina me encarvoara. O fogão a gás vem em duas semanas, explicou meu marido com mortificada delicadeza, adivinhando o borbotão de lágrimas. Mas o banheiro, este sim amei à primeira vista, azulejos, louça branca e um boxe com cortina amarela desenhada em peixes e algas. Recompensou-me. Faz quarenta anos desde minha apresentação a este meu primeiro banheiro com cortina, a um piso que se limpava com sapóleo, palavra que incorporei incontinente ao meu novo status. Vinha de uma casa com panelas de ferro que só brilhavam a poder de areia. (...) Quando me viu a pique de chorar, meu marido me disse naquele dia: quando puder, vou comprar móveis pretos e torneados pra você. Compreendi, com grande sorte para mim, que era melhor escutar aquela promessa ardente ao ouvido, que ter móveis bonitos e marido desatento. Do viçoso jardim arranquei quase tudo para ‘plantar do meu jeito’, tentativa de construir um lar, esperança que até hoje guardo e pela qual me empenho como se tivesse acabado de me casar.

Adélia Prado 
https://cronicasurbanas/wordpress/tag/adelia-prado

VOCABULÁRIO
alpendre: varanda coberta
borbotão: caudal; jorro; jato forte, em grande quantidade
egressa: afastada; retirada, que não pertence a um grupo encarvoara: sujara de carvão
incontinente: que ou quem não se contém, sem moderação
viçoso: que cresce e se desenvolve com vigor
No que se refere ao texto, é correto afirmar que

Texto associado.
                                                  Como os campos
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       Marina Colasanti
1                  Preparavam-se aqueles jovens estudiosos para a vida 
      adulta, acompanhando um sábio e ouvindo seus ensinamentos.
      Porém, como fizessse cada dia mais frio com o adiantar-se do 
      outono, dele se aproximaram e perguntaram:
5                 – Senhor, como devemos vestir-nos?
                   – Vistam-se como os campos - respondeu o sábio.
                   Os jovens então subiram a uma colina e durante dias 
      olharam para os campos. Depois dirigiram-se à cidade, onde 
      compraram tecidos de muitas cores e fios de muitas fibras.
10  Levando cestas carregadas, voltaram para junto do sábio.
                   Sob o seu olhar, abriram os rolos das sedas, desdobraram
      as peças de damasco e cortaram quadrados de veludo, e os
      emendaram com retângulos de cetim. Aos poucos, foram
      criando, em longas vestes, os campos arados, o vivo verde dos
15 campos em primavera, o pintalgado da germinação. E
      entremearam fios de ouro no amarelo dos trigais, fios de prata
      no alagado das chuvas, até chegarem ao branco brilhante da
      neve. As vestes suntuosas estendiam-se como mantos. O sábio
      nada disse.
20              Só um jovem pequenino não havia feito sua roupa.
      Esperava que o algodão estivesse em flor, para colhê-lo. E
      quando teve os tufos, os fiou. E quando teve os fios, os teceu.
      Depois vestiu sua roupa branca e foi para o campo trabalhar.
                 Arou e plantou. Muitas e muitas vezes sujou-se de terra. E
25 manchou-se do sumo das frutas e da seiva das plantas. A
      roupa já não era branca, embora ele a lavasse no regato.
      Plantou e colheu. A roupa rasgou-se, o tecido puiu-se. O
      jovem pequenino emendou os rasgões com fios de lã, costurou
      remendos onde o pano cedia. E quando a neve veio, prendeu
30 em sua roupa mangas mais grossas para se aquecer.
                 Agora a roupa do jovem pequeno era de tantos pedaços,
      que ninguém poderia dizer como havia começado. E estando
      ele lá fora uma manhã, com os pés afundados na terra para
      receber a primavera, um pássaro o confundiu com o campo e
35 veio pousar no seu ombro. Ciscou de leve entre os fios,
      sacudiu as penas. Depois levantou a cabeça e começou a
      cantar.
                Ao longe, o sábio, que tudo olhava, sorriu.
                     Colasanti, M. Mais de 100 histórias maravilhosas - 1.ed. – São
                                                                                                        Paulo: Global, 2015
Considerando a afirmação vistam-se como os campos,proferida pelo mestre aos seus discípulos, pode-se afirmar que

Texto associado.
                                                  Como os campos
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       Marina Colasanti
1                  Preparavam-se aqueles jovens estudiosos para a vida 
      adulta, acompanhando um sábio e ouvindo seus ensinamentos.
      Porém, como fizessse cada dia mais frio com o adiantar-se do 
      outono, dele se aproximaram e perguntaram:
5                 – Senhor, como devemos vestir-nos?
                   – Vistam-se como os campos - respondeu o sábio.
                   Os jovens então subiram a uma colina e durante dias 
      olharam para os campos. Depois dirigiram-se à cidade, onde 
      compraram tecidos de muitas cores e fios de muitas fibras.
10  Levando cestas carregadas, voltaram para junto do sábio.
                   Sob o seu olhar, abriram os rolos das sedas, desdobraram
      as peças de damasco e cortaram quadrados de veludo, e os
      emendaram com retângulos de cetim. Aos poucos, foram
      criando, em longas vestes, os campos arados, o vivo verde dos
15 campos em primavera, o pintalgado da germinação. E
      entremearam fios de ouro no amarelo dos trigais, fios de prata
      no alagado das chuvas, até chegarem ao branco brilhante da
      neve. As vestes suntuosas estendiam-se como mantos. O sábio
      nada disse.
20               Só um jovem pequenino não havia feito sua roupa.
      Esperava que o algodão estivesse em flor, para colhê-lo. E
      quando teve os tufos, os fiou. E quando teve os fios, os teceu.
      Depois vestiu sua roupa branca e foi para o campo trabalhar.
                 Arou e plantou. Muitas e muitas vezes sujou-se de terra. E
25 manchou-se do sumo das frutas e da seiva das plantas. A
      roupa já não era branca, embora ele a lavasse no regato.
      Plantou e colheu. A roupa rasgou-se, o tecido puiu-se. O
      jovem pequenino emendou os rasgões com fios de lã, costurou
      remendos onde o pano cedia. E quando a neve veio, prendeu
30 em sua roupa mangas mais grossas para se aquecer.
                Agora a roupa do jovem pequeno era de tantos pedaços,
      que ninguém poderia dizer como havia começado. E estando
      ele lá fora uma manhã, com os pés afundados na terra para
      receber a primavera, um pássaro o confundiu com o campo e
35 veio pousar no seu ombro. Ciscou de leve entre os fios,
      sacudiu as penas. Depois levantou a cabeça e começou a
      cantar.
                Ao longe, o sábio, que tudo olhava, sorriu.
                     Colasanti, M. Mais de 100 histórias maravilhosas - 1.ed. – São
                                                                                                        Paulo: Global, 2015
Qual das afirmações abaixo resume a ideia principal do texto, a moral da história?

Texto associado.
Quem casa quer casa
        Num tempo em que se casava depois de namorar e noivar, viajei com meu marido para a minha primeira casa, no mesmo dia do meu casamento. Partia na verdade para um reino onde, tendo modos à mesa e usando meia fina, seria uma mulher distinta como Dona Alice e seu marido saindo para a missa das dez. Pois sim, meu enxoval (...) foi despachado com zelo pela via férrea para uma cidade longe, tão longe que não pude eu mesma escolher casa e coisas. Como você quer nossos móveis?, havia perguntado meu noivo. Ah, eu disse, você pode escolher, mas gosto mesmo é daqueles escuros, pretos. Pensava na maravilhosa cristaleira de Dona Cecília, móveis de pernas torneadas e brilhantes, cama de cabeceira alta. Para a cozinha achei melhor nem sugerir, apostando na surpresa. Você pode cuidar de tudo, respondi a meu noivo atrapalhado com as providências, os poucos dias de folga na empresa, sozinho (...). Foi abrir a porta de nossa casa com alpendre e levei o primeiro susto de muitos de minha vida de casada. A mobília - palavra que sempre detestei - era daquele amarelo bonito de peroba.  Tem pouco uso, disse meu marido, comprei de um colega que se mudou daqui. Gostei da cristaleira, seus espelhos multiplicando o ‘jogo de porcelana’ - que invenção! A cama era feia, egressa de um outro desenho, sem nada a ver com a sala. E a cozinha? O mesmo fogão a lenha que desde menina me encarvoara. O fogão a gás vem em duas semanas, explicou meu marido com mortificada delicadeza, adivinhando o borbotão de lágrimas. Mas o banheiro, este sim amei à primeira vista, azulejos, louça branca e um boxe com cortina amarela desenhada em peixes e algas. Recompensou-me. Faz quarenta anos desde minha apresentação a este meu primeiro banheiro com cortina, a um piso que se limpava com sapóleo, palavra que incorporei incontinente ao meu novo status. Vinha de uma casa com panelas de ferro que só brilhavam a poder de areia. (...) Quando me viu a pique de chorar, meu marido me disse naquele dia: quando puder, vou comprar móveis pretos e torneados pra você. Compreendi, com grande sorte para mim, que era melhor escutar aquela promessa ardente ao ouvido, que ter móveis bonitos e marido desatento. Do viçoso jardim arranquei quase tudo para ‘plantar do meu jeito’, tentativa de construir um lar, esperança que até hoje guardo e pela qual me empenho como se tivesse acabado de me casar.

Adélia Prado 
https://cronicasurbanas/wordpress/tag/adelia-prado

VOCABULÁRIO
alpendre: varanda coberta
borbotão: caudal; jorro; jato forte, em grande quantidade
egressa: afastada; retirada, que não pertence a um grupo encarvoara: sujara de carvão
incontinente: que ou quem não se contém, sem moderação
viçoso: que cresce e se desenvolve com vigor
“Do viçoso jardim arranquei quase tudo para ‘plantar do meu jeito’, tentativa de construir um lar, esperança que até hoje guardo e pela qual me empenho como se tivesse acabado de me casar.” Do sentido da frase final do texto, depreende-se, de forma incorreta, que

Texto associado.
                                                         Como os campos
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       Marina Colasanti
1                  Preparavam-se aqueles jovens estudiosos para a vida 
      adulta, acompanhando um sábio e ouvindo seus ensinamentos.
      Porém, como fizessse cada dia mais frio com o adiantar-se do 
      outono, dele se aproximaram e perguntaram:
5                 – Senhor, como devemos vestir-nos?
                   – Vistam-se como os campos - respondeu o sábio.
                   Os jovens então subiram a uma colina e durante dias 
      olharam para os campos. Depois dirigiram-se à cidade, onde 
      compraram tecidos de muitas cores e fios de muitas fibras.
10  Levando cestas carregadas, voltaram para junto do sábio.
                   Sob o seu olhar, abriram os rolos das sedas, desdobraram
      as peças de damasco e cortaram quadrados de veludo, e os
      emendaram com retângulos de cetim. Aos poucos, foram
      criando, em longas vestes, os campos arados, o vivo verde dos
15 campos em primavera, o pintalgado da germinação. E
      entremearam fios de ouro no amarelo dos trigais, fios de prata
      no alagado das chuvas, até chegarem ao branco brilhante da
      neve. As vestes suntuosas estendiam-se como mantos. O sábio
      nada disse.
20             Só um jovem pequenino não havia feito sua roupa.
      Esperava que o algodão estivesse em flor, para colhê-lo. E
      quando teve os tufos, os fiou. E quando teve os fios, os teceu.
      Depois vestiu sua roupa branca e foi para o campo trabalhar.
                 Arou e plantou. Muitas e muitas vezes sujou-se de terra. E
25 manchou-se do sumo das frutas e da seiva das plantas. A
      roupa já não era branca, embora ele a lavasse no regato.
      Plantou e colheu. A roupa rasgou-se, o tecido puiu-se. O
      jovem pequenino emendou os rasgões com fios de lã, costurou
      remendos onde o pano cedia. E quando a neve veio, prendeu
30 em sua roupa mangas mais grossas para se aquecer.
                Agora a roupa do jovem pequeno era de tantos pedaços,
      que ninguém poderia dizer como havia começado. E estando
      ele lá fora uma manhã, com os pés afundados na terra para
      receber a primavera, um pássaro o confundiu com o campo e
35 veio pousar no seu ombro. Ciscou de leve entre os fios,
      sacudiu as penas. Depois levantou a cabeça e começou a
      cantar.
                Ao longe, o sábio, que tudo olhava, sorriu.
                     Colasanti, M. Mais de 100 histórias maravilhosas - 1.ed. – São
                                                                                                        Paulo: Global, 2015.
Por que o jovem pequenino foi o último discípulo a confeccionar sua roupa?

Texto associado.
Quem casa quer casa
        Num tempo em que se casava depois de namorar e noivar, viajei com meu marido para a minha primeira casa, no mesmo dia do meu casamento. Partia na verdade para um reino onde, tendo modos à mesa e usando meia fina, seria uma mulher distinta como Dona Alice e seu marido saindo para a missa das dez. Pois sim, meu enxoval (...) foi despachado com zelo pela via férrea para uma cidade longe, tão longe que não pude eu mesma escolher casa e coisas. Como você quer nossos móveis?, havia perguntado meu noivo. Ah, eu disse, você pode escolher, mas gosto mesmo é daqueles escuros, pretos. Pensava na maravilhosa cristaleira de Dona Cecília, móveis de pernas torneadas e brilhantes, cama de cabeceira alta. Para a cozinha achei melhor nem sugerir, apostando na surpresa. Você pode cuidar de tudo, respondi a meu noivo atrapalhado com as providências, os poucos dias de folga na empresa, sozinho (...). Foi abrir a porta de nossa casa com alpendre e levei o primeiro susto de muitos de minha vida de casada. A mobília - palavra que sempre detestei - era daquele amarelo bonito de peroba.  Tem pouco uso, disse meu marido, comprei de um colega que se mudou daqui. Gostei da cristaleira, seus espelhos multiplicando o ‘jogo de porcelana’ - que invenção! A cama era feia, egressa de um outro desenho, sem nada a ver com a sala. E a cozinha? O mesmo fogão a lenha que desde menina me encarvoara. O fogão a gás vem em duas semanas, explicou meu marido com mortificada delicadeza, adivinhando o borbotão de lágrimas. Mas o banheiro, este sim amei à primeira vista, azulejos, louça branca e um boxe com cortina amarela desenhada em peixes e algas. Recompensou-me. Faz quarenta anos desde minha apresentação a este meu primeiro banheiro com cortina, a um piso que se limpava com sapóleo, palavra que incorporei incontinente ao meu novo status. Vinha de uma casa com panelas de ferro que só brilhavam a poder de areia. (...) Quando me viu a pique de chorar, meu marido me disse naquele dia: quando puder, vou comprar móveis pretos e torneados pra você. Compreendi, com grande sorte para mim, que era melhor escutar aquela promessa ardente ao ouvido, que ter móveis bonitos e marido desatento. Do viçoso jardim arranquei quase tudo para ‘plantar do meu jeito’, tentativa de construir um lar, esperança que até hoje guardo e pela qual me empenho como se tivesse acabado de me casar.

Adélia Prado 
https://cronicasurbanas/wordpress/tag/adelia-prado

VOCABULÁRIO
alpendre: varanda coberta
borbotão: caudal; jorro; jato forte, em grande quantidade
egressa: afastada; retirada, que não pertence a um grupo encarvoara: sujara de carvão
incontinente: que ou quem não se contém, sem moderação
viçoso: que cresce e se desenvolve com vigor
Considerando-se o tema de que trata o texto, pode-se indicar que diz respeito a

Assinale a alternativa em que o termo em destaque não está empregado conotativamente.

Texto associado.
Leia:
1 – Eu vou tirar você de mim/Assim que descobrir /Com quantos nãos se faz um sim
2 – Vale todo um harém a minha bela/Em fazer-me ditoso ela capricha.../Vivo ao sol de seus olhos namorados,/Como ao sol de verão a lagartixa.
3 – Ilumina meu peito, canção./Dentro dele/Mora um anjo,/Que ilumina/O meu coração.
Nas sentenças acima, encontram-se, respectivamente, as seguintes figuras de linguagem:

Resolver simuladosEscolaridadeQuantidade
Interpretação de TextosEnsino Superior272
SintaxeEnsino Médio28
Interpretação TextualEnsino Médio17
MorfologiaEnsino Superior8
VerbosEnsino Médio8
PontuaçãoEnsino Médio8
Locução AdverbialEnsino Médio7
Flexão VerbalEnsino Médio7
OrtografiaEnsino Médio5
Acentuação GráficaEnsino Médio4

Deixe seu comentário (0)

Participe, faça um comentário.