Entrar

Qual é o aumentativo e diminutivo de RIO?

Por Letícia Cunha | Em 15/05/2024 13:45:50 | Português, Aumentativo e diminutivo | 💬 0

O aumentativo de rio é riozão, enquanto o diminutivo é riacho. Mas você sabe o porquê?



O grau aumentativo é usado, normalmente, para enfatizar o tamanho do objeto em questão, ou mostrar que está em volume aumentado do que o normal.

Por exemplo, alguém que você chama de “amigão”, é mais do que um amigo ou simplesmente um colega; o substantivo foi alterado gramaticalmente para demonstrar a grandeza daquela amizade. PS: também há amigaço e amigalhaço.

Outro exemplo: “Antes eu ouvi um barulho, depois ouvi um barulhão”. Nesta outra frase, o aumentativo serve para demonstrar que o barulho aumentou, ou seja, está maior do que o do grau normal.

Já a flexão do grau para o diminutivo pode ser para o mesmo motivo – mostrar que algo está em uma estatura ou intensidade menor, que são os casos de “patinha” e “dorzinha”, respectivamente. O primeiro demonstra que é uma pata pequena, enquanto o segundo quer dizer que é uma dor leve.

O diminutivo também pode ser utilizado para expressar afeto, sendo este responsável por vários apelidos carinhosos, como “amorzinho” e “xuxuzinho”. Usar o diminutivo do nome próprio de alguém também é sinal de carinho.

Por fim, existe o caso da flexão de grau que pode ser usada como desprezo, então é bom ficar atento. É o caso de “mulherzinha” que, ao contrário de “homenzinho”, não significa uma mulher pequena e, sim, uma forma de menosprezar e inferiorizar alguém.

Ou seja, o diminutivo também pode ser usado na forma pejorativo. “Jornal”, por exemplo, tem as formas “jornalzinho” e “jornalito” para demonstrar sua menor escala, mas alguns dicionários também consideram “jornaleco”. Este, porém, é usado de maneira ofensiva.

Afinal, qual o aumentativo e diminutivo de rio?

Como muita gente pensa, não é só adicionar um “ão” na palavra que vira um aumentativo, ou “inho” que vira diminutivo – por mais que às vezes aconteça e estes sejam os corretos, como “carro”. Você consegue adivinhar o aumentativo dele? Carrão. Isso, acertou.

Mas voltando ao rio: um rio grande não é “rião”, mas pode ser a segunda opção de chute de algumas pessoas, ou até a primeira. O aumentativo de rio é riozão. yes

Alguns lugares dizem que é ribeirão, porém o conceito de ribeirão no dicionário é “curso de água maior que um regato, porém menor que um rio”, então não cabe aqui.

Já para flexionar o substantivo em grau diminutivo, é mais diferente; dessa vez, não vai ser “riozinho”. O aumentativo de rio é riacho, mas também é aceito outros vocábulos, como ribeiro e regato.

No dicionário, a definição de todos esses é “corrente de água pouco volumosa e de pequena extensão” e, inclusive, são sinônimos entre si.

Por que isso acontece? Afinal, o que forma um aumentativo e um diminutivo?

Nós temos a tendência de achar que os aumentativos sempre terminam com “ão”, e isso se deve a grande quantidade de vocábulos com essa terminação e suas variações, como, por exemplo:

  • -alhão, contido em dramalhão (drama);
  • -arrão, como em homenzarrão (o verdadeiro aumentativo de homem) e coparrão (copo);

Acontece o mesmo com os diminutivos; por facilidade de uso e tradição linguística e cultural, é comum que adicionemos o “inho” no final das palavras, seja para demonstrar carinho, desprezo ou expressar tamanho inferior.

Esse final, inclusive, tem nome: ele se chama sufixo. É um elemento gramatical que, quando adicionado à palavra base (sempre no final, porque na frente se chama de prefixo), muda o sentido da mesma.

E é assim que a flexão em grau é formada: é feita pela junção de um sufixo no aumentativo com uma palavra no seu grau normal.

Não entendeu? Vamos ver com a palavra rio.

  • rio (grau normal) + ão (sufixo aumentativo) = rião (aumentativo)
  • rio (grau normal) + acho (sufixo diminutivo) = riacho (diminutivo)

Veja mais exemplos de outras flexões em grau:

  • boca (grau normal) + arra (sufixo aumentativo) = bocarra (aumentativo)
  • casa (grau normal) + ebre (sufixo diminutivo) = casebre (diminutivo)

Há vários outros exemplos de sufixos, como -aço para aumentivo (corpaço, que também serve corpanzil, sendo -anzil outro exemplo), e, para exemplos de diminutivos, temos -culo (homunculo, corpúsculo).

Lembrando que o sufixo pode desempenhar várias outras funções e possuir outros tipos. O que vimos, por exemplo, foi um sufixo nominal, que é quando esse conjunto de letras se agrupa na palavra (radical) e forma uma palavra nova, seja um substantivo ou adjetivo.

O sufixo adverbial, por exemplo, como a própria palavra diz, transforma o radical em um advérbio. Esse sufixo é sempre o mesmo ("mente") e o advérbio é sempre de modo.

rápido (grau normal) + mente (sufixo adverbial) = rapidamente (advérbio de modo)

Resolver simuladosEscolaridadeQuantidade
Interpretação de TextosEnsino Superior272
SintaxeEnsino Médio28
Interpretação TextualEnsino Médio17
Interpretação de TextoEnsino Médio9
VerbosEnsino Médio8
PontuaçãoEnsino Médio8
MorfologiaEnsino Superior8
Locução AdverbialEnsino Médio7
Flexão VerbalEnsino Médio7
OrtografiaEnsino Médio5
Resolver questõesEscolaridadeQuantidade
Interpretação de TextosEnsino Superior5484
Interpretação TextualEnsino Médio2502
SintaxeEnsino Médio1727
MorfologiaEnsino Superior1188
PontuaçãoEnsino Médio832
OrtografiaEnsino Médio593
Redação OficialEnsino Médio455
CraseEnsino Médio386
Morfologia PronomesEnsino Médio370
Interpretação de TextoEnsino Médio229
Foto de perfil Letícia Cunha
Por Letícia Cunha | Jornalista
Jornalista, apaixonada por escrever. Escreve sobre diversos assuntos em blogs e sobre notícias de concursos aqui.

Deixe seu comentário (0)

Participe, faça um comentário.